top of page
Mão de criança e tronco de árvore

Blog

Textos e notícias pedagógicas

O que nossas mãos contam quando educamos uma criança?


Dedicar tempo ao trabalho com crianças pequenas nos leva a refletir sobre inúmeras questões. À medida que nos envolvemos com as maneiras próprias das crianças de ser e estar no mundo, compreendemos suas formas únicas de comunicação: o choro, as palavras, as expressões faciais, os movimentos e os gestos. Desde cedo, entendi que o toque imprime sensações, e por isso, respeitar o corpo e o espaço de bebês e crianças é fundamental para o cuidado e a educação.


O que significa respeitar um bebê como pessoa? Como garantir que o respeito guiará as relações entre adultos e crianças? As respostas a essas perguntas geram infinitas reflexões. No entanto, após alguns anos nesta bonita jornada de educar, aprendi que a simplicidade é essencial: precisamos de calma. Calma para observar, ouvir e nos atentar mais aos gestos das crianças e aos nossos próprios gestos.



Criar uma atmosfera acolhedora e humana exige sensibilidade para aprender os modos particulares de comunicação de cada criança. Isso inclui desde a maneira como pedimos licença para verificar a fralda, até como as carregamos no colo, conversamos e as tocamos. Reconhecer bebês e crianças pequenas como pessoas que precisam ser respeitadas é a base de um cuidado eficiente. Elas não são objetos manipuláveis, e compreender isso é fundamental para o desenvolvimento integral.


Somos referência para as crianças. Sabemos que grande parte de suas atitudes surge a partir da imitação dos nossos gestos e comportamentos, graças aos neurônios-espelho. Portanto, nosso papel é crucial na formação de um ambiente de respeito e carinho, essencial para o desenvolvimento saudável das crianças. Nós, enquanto adultos, precisamos ter clareza sobre as nossas ações e a consequência delas na vida das crianças. Sabendo disso, podemos começar a nos ouvir mais, sendo empáticos com a nossa trajetória e tendo plena convicção de que somos sujeitos em constante transformação. Isso dá garantia para uma postura docente sensível e que caminha em direção ao respeito como base das relações.



143 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Kommentare


  • WhatsApp Parlenda
bottom of page